Skip to content

Relatos de viagem: São Paulo, agosto de 2011

agosto 23, 2011

Nossa trip agostina pra São Paulo consistiu numa incansável e improvisadora locomotiva do rock: conhecemos muita gente linda, matamos saudades de uma farta gangue de almas destemidas, partimos do Rio com uma formação e voltamos com outra. Seguem alguns highlights da viagem.

No dia 2, eu (Bonifrate, violão, harmônica, guitarra e voz), Valentino (no volante, guitarra, samples e backing vocals) e Giraknob (no banco de trás, guitarra e backing vocals) encaramos a Dutra, chegamos no QG da Cloud Chapel e logo partimos pra Casa do Mancha pra tomar umas e já adiantar um pré-ensaio com General Mancha na bateria – acréscimo há muito já combinado e a princípio exclusivo do show a ser feito no sábado, dia 6, na própria Casinha, com formação extraordinária.

Logo na manhã do dia 3 nos deparamos com essa incrível matéria do Edson pra Folha Ilustrada (clique na foto para ampliar):

Na noite do mesmo dia abrimos os trabalhos com a apresentação na Folk This Town Especial Cloud Chapel, com abertura do gênio Pedro “Leão” Moreira, sozinho e guitarrado. Apesar do frio polar digno de um inverno em Plutão, uma boa leva de gente bonita compareceu ao Varal Bar e aderiu ao coro. Nossa queridíssima Kátia Mello fez essas fotos:

Depois de quinta e sexta de ensaios e bizarrices noturnas, finalmente tocamos “Um Futuro Inteiro” na íntegra e na ordem na Casa do Mancha sábado. Curtimos tanto ter o Mancha na bateria e ele tirou tão bem todas as músicas do disco, que pensamos “que diabos! Entra logo pra banda, General”. Ainda não brotaram fotos deste concerto na internet, mas depois registramos a nova formação com essas incríveis Polaroids atiradas por Tomahawk (ou Juninho, nosso artista number 1 de capas supercordianas):

Já com gostinho amargo de despedida, mas ainda com calor nos corações, fechamos as operações com o concerto na noite Fora do Eixo, abrindo pra Pélico e Garotas Suecas num Studio SP lotadíssimo. Rodrigo Sommer fez essas fotos:

Depois de concluir com uma entrevista e uma sessão de fotos pro chapa Amauri Gonzo da + Soma, voltamos pro Rio tristonhos e a primeira coisa que notamos foi que arruinaram o gramado dos arcos da Lapa, último reduto central de headbangers e punks sujos da velha capital. “É, essa cidade acabou”.

Gracias a todos os já citados, e mais: todo mundo que apareceu (ou tentou aparecer) nos concertos; Pamela pela noite fantástica de terça; Rica, Stan e Pedrinho por aturarem dez dias da nossa gangue nos headquarters da Cloud Chapel; Rodrigo por mais essa grande Folk This Town; Dona Vera pelas quentinhas; e lastbutnotleast ao General Mancha pelo comando das operações e tudo o mais-mais-mais (demais).

Foi emocionante, voltaremos no fim de outubro.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. Mancha permalink
    setembro 15, 2011 5:14 am

    só li isso agora.. pô, orgulho demais fazer parte disso.
    em breve novas sagas dos misteriosos intragáveis
    grande abraço..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: