Skip to content

Miscelânea 2014-2016

janeiro 10, 2017

Do interior da grande sequela cósmica, venho aqui atualizar alguns fatos e lançamentos semi-novos (ou mesmo nada novos) que eu, por algum motivo, esqueci de publicar no site nestes últimos 2 anos ou mais. Constam basicamente participações em trabalhos de outrem. Comecemos pelo fim.


a3919627086_101. Em outubro de 2016 saiu esse belíssimo single dos Boogarins do qual tive o prazer de participar. “Elogio à instituição do cinismo” começou a ser gravada no meu estúdio-cafofo-móvel numa das visitas do Dinho a Paraty, e foi finalizada no estúdio que os meninos montaram em Austin (EUA) pra gravar seu novo disco.
Da minha parte, tem o esqueleto desse sample batidão, os sons de Casiotone vintaginho e uns backing vocals que eu confesso que não consegui ouvir.

Essa capa genial é da Beatriz Perini.

A foto maior é de uma ruína incrível e culturalmente aproveitável que ficava ao lado da minha morada anterior, na beira da Rio-Santos, e que foi demolida poucos meses depois, provavelmente para que pessoas ricas, brancas e cínicas possam ganhar muito dinheiro e futuramente outras pessoas ricas, brancas e cínicas possam estragar a vista, retornando Zero para a comunidade e frequentando esporadicamente seus palacetes de blindex na praia quando SP dá uma trégua.


a0408132484_102. Em julho de 2015, o figuríssima lo-fi one-man-band de Recife DMingus, cujo som eu admiro de longa data, me convidou para participar da faixa de abertura do seu quarto disco Saturno Retrógrado, Xamã Orubá”.
Nunca conheci Domingos pessoalmente, mas ainda assim tenho enorme simpatia e empatia pelo sujeito, seus discos Canções do quarto de trás Fricções rodaram bastante pela minha cabeça, e foi com carinho e capricho que eu contribuí com umas vozes e umas violas de 10 cordas.
Além de mim ainda participam outros amigos/conhecidos da web, Matheus Mota, Júlio Ferraz (Novanguarda), Juvenil Silva, Zeca Viana, Daniel Liberalino, Rama Om e Graxa.


Resultado de imagem para nefelibatas fuscas e dirigíveis

3. No finalzinho de 2014, Simplicio Neto & Os Nefelibatas liberaram seu EP de estreia, Fuscas & DirigíveisAs cinco faixas, escritas pelo Simplicio, foram produzidas, mixadas e masterizadas por mim em Paraty, no mesmo esquema com que costumo fazer minhas próprias gravações. Além das vozes do Simpla, contribuíram Gabriel Ares com uns teclados e Felipe Rodrigues com umas baterias. O outro integrante dos Nefelibatas, Sidney, produziu o EP que veio na sequência, o ótimo Terror & Vaudeville.

O cancioneiro do Simplicio, amigo e interlocutor, é uma grande inspiração pra mim. Gosto muito desse trabalho e espero que num futuro distante ele seja descoberto por escafandros lunares que lhe alcem ao lugar que ele merece.

 


4. Em 26 de novembro, Supercordas anunciaram o encerramento das suas atividades.

5. Que eu me lembre, dei duas entrevistas em 2016, uma está no Altnewspaper e outra no Impostor.

6. Teve show de Bonifrate na loja Discosaoleo, em Belém do Pará, na programação paralela do festival Se Rasgum, acompanhado pelo Mancha na bateria. Foi maior climão. Foto roubada do Instagram do Leo:

sem-titulo

 

Novidades de verdade logo mais!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: